roberta_vianello_marianasandini

Maestra Roberta | Foto: Mariana Sandini

Professora desde 1982, trabalhou sempre na Escola Primária Italiana, e no ano passado, fez a escolha de ensinar para adultos italianos e estrangeiros a língua do seu país. Nestes alunos, estão inclusos filhos de italianos que não falam a língua, imigrantes, refugiados e tantas pessoas, que além de aprender a língua, devem aprender sobre uma cultura totalmente diferente da sua. E a Professora Roberta faz este trabalho com muita paciência, amor e dedicação.

Conversei com ela sobre o que vai rolar no dia 08 de março aqui em Milão e um pouco da situação italiana em geral:

As Mochileiras: O que acontece neste ano de diferente no Dia Internacional da Mulher?

Roberta Vianello: Este ano, o dia Internacional da Mulher, foi anunciado em 40 países, com um apelo, de certa forma, novo. Se decidiu chamar todas as mulheres para uma greve. Uma greve para lembrar que é importante ter o respeito pelas mulheres, que seu trabalho, tanto em casa quanto fora de casa, é fundamental. O slogam deste ano é  “se as nossas vidas não valem, então fazemos greve”.

As Mochileiras: Qual é a importância desta greve?

Roberta Vianello: Não é apenas se abster do trabalho fora de casa, é também não fazer os trabalhos que são sempre esperados das mulheres. O que quero dizer por esperados, pensamos que é normal que as mulheres façam uma série de tarefas que são delegadas a elas. Todos os cuidados, das crianças, dos idosos, da casa, de todos aqueles que vivem com nós. Pois na verdade, este trabalho é um verdadeiro trabalho e deve ser reconhecido. Também é importante lembrar que cada mulher é livre para escolher com quem vive. A mulher não deve ser obrigada a não haver escolhas. Desta forma, se uma mulher quer se separar de um marido que é violento, que é bom, que é a melhor das pessoas, mas não é a pessoa para ela, pode e deve fazer. Em contrapartida desta liberdade, nestes últimos 2 ano aqui na Itália, tivemos tantas mulheres mortas, quase 1 por dia, mortas em família e isso é uma coisa terrível, da qual estamos tentando entender os motivos, deste aumento. Tudo isto está contido nesta greve.

As Mochileiras: Como você percebeu a participação das mulheres nesta greve?

Roberta Vianello: Percebi bastante participação emotiva, ou seja, interior, da parte das mulheres, ao menos das minhas amigas, das pessoas que conheço. Porém, nesta escola muitas professoras farão a greve, não todas, mas muitas sim. Entre as minhas amigas, por exemplo, aquelas que trabalham com serviços e principalmente nos sanitários não farão greve. E também, as amigas que trabalham na área gastronômica decidiram não fazer greve, pois depois, se torna um problema a relação com a chefia.

As Mochileiras: Sabemos que as coisas mudaram para as mulheres, porém, tem muito ainda para se fazer. Quais são as coisas fundamentais que devem mudar na sua opinião?

Roberta Vianello: Então, este é um discurso muito importante. Eu não penso que devemos inserir tudo em uma ideia única de liberdade. Muitas vezes discuto com minhas amigas, que dizem que as mulheres com o véu (muçulmanas) são submissas, que são mulheres menos respeitadas que as outras. Isso não é verdade, porque se uma mulher decide verdadeiramente usar o véu, na sua cotidianidade, todo o dia, deve ser livre para fazer.
É isso para mim o que é importante para as mulheres. Pode ser, pois, para mim, é importantíssimo como mulher, é a liberdade. A liberdade é poder usar o véu, de praticar uma religião ou outra, de poder viver com uma pessoa ou viver sozinha, de poder trabalhar fora ou decidir de trabalhar em casa, cuidar dos filhos e da casa. Porque aquilo o que é verdadeiramente importante, é não ser julgada pelas próprias escolhas.
Eu penso que se o mundo respeitasse isso… Como tem a mulher que quer estudar e a mulher que não quer estudar. O importante é que cada mulher tenha condições de poder escolher. As mulheres que não podem estudar, não podem escolher se querem estudar ou não. As mulheres obrigadas de estarem em casa, não podem escolher de trabalhar ou não.
As escolhas devem ser feitas de forma livre para serem respeitadas. E para finalizar, muitas vezes, outras mulheres também não respeitam as escolhas das outras mulheres, é algo que eu também vejo.