Que San Andres é lindo não é novidade. Mas Providência e Santa Catalina… Dios mio!
Providência é uma das ilhas que pertence ao mesmo arquipélogo de San Andres. Fica coladinha em outra ilha, Santa Catalina. Elas não tem o mesmo tamanho de San Andres, são beeeem menores, também não tem tanto comércio, também não tem muitas formas de acesso, mas San Andres não tem nem de perto o charme dessas pequenas, ahhh não tem!

Vista aérea de Providência | Foto: Bianca Santos

Vista aérea de Providência | Foto: Bianca Santos

A única forma de chegar em Providência é partindo de San Andres, seja de avião (mais pra teco teco do que pra avião) ou catamarã. Li por aí que o mais legal é ir de avião e retornar de catamarã devido a alguns fatores como a corrente marítima, que deixa a ida pra ilha bem nauseante.
Comprei a passagem de avião através do chat da empresa Satena. Pesquisando no Google, dizia que só esta empresa que faz a rota de avião, mas no aeroporto vi um outro, específico da rede super chique de hotéis Decameron. Paguei 236000 pesos colombianos via cartão de crédito, o que na época deu R$ 280,00 na fatura. Deixei pra comprar a volta de catamarã já em San Andres, mas, big mistake… deixei pra ir atrás da passagem um dia antes de ir pra Providência, e não tinha mais passagem de volta no catamarã no dia que eu precisava, apenas no dia do meu retorno ao Brasil. O valor estava 180000 pesos para apenas um trecho e 30000 para ida e volta. Bueno, me restou tentar a volta de avião. Também não tinha lugar na data que eu havia planejado, apenas para o dia seguinte. Como não tinha opção, beleza. Mais 236000 pesitos, também no cartão e rezando pra baixar o dólar!
Na real, com a vista do avião e o tempo curtíssimo de 20 minutos de viagem (de catamarã são 4 horas), eu até que não achei de todo ruim toda a treta da passagem de volta não. Vou nem falar nada, só observa essa vista!

Vista aérea de Providência | Foto: Bianca Santos

Vista aérea de Providência | Foto: Bianca Santos

O aeroporto é minúsculo, não tem nada de comércio. Apenas desce do avião, mostra passaporte e tarjeta de turismo (É comprada no aeroporto de Bogotá, e é obrigatória para entrar em San Andres. Custa 104000 pesos), pega a bagagem e adiós.
Solicitei o transfer digratis do hostel, e quando cheguei o moço já estava lá me aguardando de moto. Capacete? Pra quê?
O hostel é increhible, se chama Posada Lia! No meu quarto não tinha cozinha, mas vi que alguns tem. Quarto grande, com ar condicionado sem limitação de horário para utilização, frigobar e TV a cabo. Só o wifi que deixou a desejar, porque no quarto que eu fiquei não chegava o sinal. But that’s ok, dia todo na praia, e ainda tinha dois livros pra terminar de ler. Recomendo de coração que fiquem neste hostel, as pessoas são muito solícitas. O moço que me buscou no aeroporto veio o caminho todo me explicando sobre a ilha, falando de lugares para ir e dizendo que eu vou querer voltar muitas vezes (já quero!). Já no hostel, a moça da recepção foi até a entrada da ilha de Santa Catalina comigo, também falando sobre o lugar e explicando como acessar a praia mais próxima. Um amor! Não quero ser injusta, mas tenho que comentar que o povo de San Andres tem muito a aprender com o pessoal de Providencia e Santa Catalina no que diz respeito a educação e simpatia. Ou eu que sou muito azarada e só encontrei gente chata por lá.

Logo na chegada, fui à praia mais próxima, a praia Fort Bay em Santa Catalina. Haja fôlego pra chegar lá. Precisa dar a volta em parte da ilha, subir uma escadaria que leva até a estátua de Santa Catalina, descer outra escadaria (as duas imensaaaas), aí tcharaaaam! Praia! É bem pequena, coisa de 50 metros de extensão, e por ali também se tem acesso à caverna onde a celebridade local, o pirata Henry Morgan teria escondido alguns de seus tesouros. Lá temos um autentico pirata do Caribe! Rááá!

Fort Bay | Foto: Bianca Santos

Fort Bay | Foto: Bianca Santos

Em Fort Bay tem um único bar, Welcome to Paradise, com dois moços que cuidam da praia como se fosse uma casa. Impecável! Lá eles vendem apenas bebidas locais, o Coco loco, Piña Colada, e o que eu bebi por indicação do Carlos, invenção do próprio, e se chama Carlos Special! haha Ele monta o drink dentro de um côco, e não lembro o que ele coloca. Só lembro que ele falou em vodka e cereja. Lembrei beeem da vodka depois que bebi o drink e resolvi levantar pra tirar uma foto. Geeente, que troço forte! De qualquer forma, recomendo o Carlos Special, só vá com calma!

Bar em Fort Bay | Foto: Bianca Santos

Bar em Fort Bay | Foto: Bianca Santos

O “centro” de providência é uma graça. Tem uma praça, e o comércio é todo ali. Em todas as praças tem pontos de wifi, e por isso é comum as praças estarem sempre com bastante gente.

O transporte na ilha é feito de  moto táxi, que custa 4000 ou 5000 pesos, depende do motora. E você está com uma segunda pessoa? Não tem problema, dá uma apertadinha que cabe todo mundo na moto! Tem alguns poucos carros que fazem o serviço de transfer, mas enquanto a moto é 5000, o carro é 20000.

Fiz um tour de lancha ao redor da ilha que passa por várias praias, como a praia Manzanillo e vai até Cayo Cangrejo, que é o local mais famoso da ilha.

Manzanillo é onde tem o bar mais famoso, o Roland’s Bar. Lá rola muito reggae, cerveja, comidinhas, e à noite rolam otras cositas más también!

Playa Manzanillo | Foto: Bianca Santos

Playa Manzanillo | Foto: Bianca Santos

E o lugar mais fantástico de todos, Cayo Cangrejo! É  uma ilhota, não tem faixa de areia, apenas um deck com um pequeno bar. A entrada para estrangeiros é 18000 pesos, e para colombianos é 10000. O lance lá é curtir a vista incrível e fazer snorkel. Dei a volta na ilha com o apoio do guia do tour, foi um sufoco, mas valeu a pena. Uma infinidade de peixes coloridos, tartarugas, corais, e até lagosta!

Chegando a Cayo Cangrejo | Foto: Bianca Santos

Chegando a Cayo Cangrejo | Foto: Bianca Santos

Também tem um ponto onde é possível ter uma visão 360° do entorno da ilha.

Vista do topo em Cayo Cangrejo | Foto: Bianca Santos

Vista do topo em Cayo Cangrejo | Foto: Bianca Santos

Com o aumento desenfreado do turismo, estão fechando o cerco e aumentando os preços das taxas e passagens para visitar Providência. Apesar desta natureza maravilhosa, a estrutura tanto em San Andres quanto em Providencia é precária. Em alguns pontos parece uma cidade abandonada. Por isso, é sempre bom lembrar que também é responsabilidade nossa, viajantes, cuidar desses cantinhos por onde passamos.

Qualquer dúvida é só chamar! <3